terça-feira, 12 de julho de 2016

NOVOS PONTOS CANTADOS DE UMBANDA (Karol Souza Barbosa)



POR QUE UM LIVRO SOBRE PONTOS CANTADOS?

Na Umbanda, os pontos cantados são alguns dos responsáveis pela manutenção da vibração das giras e de outros trabalhos. Verdadeiros mantras, mobilizam forças da natureza, atraem determinadas vibrações, Orixás, Guias e Guardiões.
Com diversas finalidades, o ponto cantado impregna o ambiente de determinadas energias enquanto o libera de outras finalidades, representam imagens e traduzem sentimentos ligados a cada vibração, variando de Orixá para Orixá, Linha para Linha, circunstância para circunstância etc. Aliados ao toque e às palmas, o ponto cantado é um fundamento bastante importante na Umbanda e em seus rituais. 
Em linhas gerais, dividem-se em pontos de raiz (trazido pela Espiritualidade) e terrenos (elaborados por encarnados e apresentados à Espiritualidade, que os ratifica).
Há pontos cantados que migraram para a Música Popular Brasileira (MPB) e canções de MPB que são utilizadas como pontos cantados em muitos templos.
Mas por que um livro sobre pontos cantados, ainda mais desacompanhado de um CD?
Em “Novos pontos cantados – o fundamento cognitivo da religião” (São Paulo: Anúbis, 140 pp.), Karol Souza Barbosa (Mãe Karol de Iansã) traz uma série de pontos de raiz (recebidos diretamente da Espiritualidade) e terrenos (compostos pela autora), os quais possuem ritmo próprio, muitos deles já adotados pela T. U. Iansã Matamba e Caboclo Jiboia (TUIMCAJ), dirigida pela autora e por seu esposo, Pai Dermes de Xangô. Contudo, os mesmos podem ser adaptados para todo e qualquer templo umbandista, conforme a organização de cada Ogã e cada curimba.
Além disso, o livro traz, dentre outros, um breve estudo sobre os pontos, hinos, curimba, o toque (literalmente...) feminino, as web-rádios (com destaque para a Sensorial FM) e os festivais de curimba, com ênfase ao trabalho de Leo Batuke.
Ora, se fosse “apenas” um livro de pontos, certamente encantaria o (a) leitor (a), que dirá, então, uma reflexão diacrônica (linha do tempo) e sincrônica (momento autal), que interessa não apenas ao umbandista, mas também ao músico, ao pesquisador das religiões tradicionais de terreiro, aos comunicadores em geral.
Karol Souza Barbosa (Mãe Karol de Iansã) é umbandista e dirigente espiritual da Tenda de Umbanda Iansã Matamba e Caboclo Jiboia (TUIMCAJ), em Blumenau (SC), terapeuta holística através da harmonização de ambiente, aromaterapia, cromoterapia, musicoterapia e terapia com pedras e cristais. Ministra cursos de baralho cigano e comum, numerologia dos Orixás e o curso teórico de Umbanda. Desenvolve projetos sociais, como o Projeto São Miguel Arcanjo, que busca amparar a sociedade, colaborando para diminuir suas necessidades por meio de arrecadação de donativos e ações sociais. Pesquisadora e blogueira, mantém diversos sítios com milhares de acessos na internet, todos relativos à Umbanda. Como palestrante voluntária, dedica-se, presencialmente ou em fóruns virtuais, a falar sobre Umbanda, desmistificando estereótipos. É presidente do Fórum Catarinense de Umbanda (FOCU), que tem como vice-presidente seu esposo, Pai Dermes de Xangô. "Novos pontos cantados de Umbanda - o fundamento cognitivo da religião" é seu primeiro livro publicado.

Por: Ademir Barbosa Júnior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário